As viagens pós-torneio: Stuttgart (2012) e Isfahan (2011)

DSC00246

Todo ano, após os dias do torneio propriamente dito, há uma viagem de dois dias organizada pelo comitê local para alguma outra cidade do país sede. Esses dois dias servem para passear, relaxar e, por ventura, entrar mais em contato com outros times. Pois é, quando a viagem vai ficando boa, ela termina… São nesses dois dias também que há reuniões do IOC pra decidir os tão esperados 17 problemas de cada ano.

Stuttgart (IYPT 2012):

Cidade conhecida por ser pólo automobilístico da Alemanha, saindo da pequena cidade interiorana de Bad Saulagu, Stuttgart foi o destino das jovens mentes de quase 30 países do mundo este ano nos dois últimos dias de viagem na Alemanha.

Sair do campus da escola japonesa com seu cheiro de madeira molhada (resultado de muita chuva e das infinitas árvores no local) não foi muito divertido; Bad Saulgau tinha nos recebido muito bem. O IYPT deste ano nos marcou com histórias profundas e pelo ambiente do torneio. Na hora de partir, juntamos as diversas garrafas (de água com gás) que foram juntadas em todos os quartos do alojamento ao longo da semana de competição, pegamos os ônibus designados a cada um dos times e seguimos para Stuttgart. Lá, os times foram separados em dois hostels. Amizades recém-formadas ficaram divididas entre os dois albergues nos últimos dias de viagem para que todos pudessem se acomodar, mas são consequências de um grande evento.

No primeiro dia, logo ao chegar, deixamos nossas malas, e rumamos à sede mundial da Daimler-Mercedes Benz, uma das patrocinadoras do torneio, onde fomos recebidos com uma palestra, tour e almoço especialmente designado aos participantes do IYPT. Gente querendo tirar fotos com os super carros da Mercedes foi o que não faltou haha.

Capa da apresentação inicial

Capa da apresentação inicial

As duas noites que passamos no International Youth Hostel foram bem gastas próximas a máquinas de sorvete e refrigerante usando Wi-Fi no primeiro piso, conversando via Skype com o pessoal aqui no Brasil e trocando ideia (e danças típicas) com integrantes do time da Bulgária.

Benditas máquinas de sorvete que acabaram com a nossa grana aos poucos

Benditas máquinas de sorvete que acabaram com a nossa grana aos poucos

No dia seguinte, fomos ao museu da Mercedes enquanto o IOC se reunia. Depois, abandonados por nossos guias no meio da chuva em Stuttgart com parte do time da Bulgária pra achar uma forma de voltar ao hotel. Acabamos sem encontrar uma estação de metrô funcionando que fosse e nos salvando porque a menina da Bulgária falava alemão. Caímos no hotel dos outros times, mas antes conseguimos um Burger King por perto. No fim das contas, conseguimos pegar metrô, nos perder por Stuttgart, tirar fotos legais e voltar pro hotel. Ficamos esperando o Thiagão, mas aparentemente o IOC estava muito indeciso quanto aos nomes dos problemas e a reunião só acabou de noite.

Perdidos em Stuttgart

Perdidos em Stuttgart

Saímos por Stuttgart pelos principais pontos (apesar de tudo já estar fechado quase), passamos no meio de uma parada gay e acabamos por acaso no mesmo restaurante em que estava o time suíço apesar de longe de ambos os hostels.

Praça central

Praça central

A noite terminou de maneira semelhante à noite anterior, mas com a gente dando um chapéu do time brasileiro e, hm… outras coisas mais, enfim, era a última noite na Alemanha, não era muito divertido pensar nisso.

Último dia, o Ferdinand nos levou até a estação de trem, nos auxiliou com os táxis, malas e tickets, fomos ao aeroporto e rumamos à Suíça, onde passaríamos os cinco dias seguintes (com direito a atraso no voo e problemas consequentes disso e tudo mais).

Assim, melancolicamente, terminou o último e mais divertido IYPT da história.

Isfahan (IYPT 2011):

Madrugada do do dia 29 de julho de 2011. Acordadas com a queda e conseguinte volta da energia elétrica, as meninas foram acordadas no alojamento feminino em Teerã, no único IYPT da história em que os times mistos foram separados por causa das leis locais. Todas se ajeitaram e desceram as escadas com suas grandes malas pesadas. Esperamos as portas serem abertas para a escuridão em que o dia ainda estava e chegamos à frente do prédio da física, onde nos entregaram os certificados e esperamos o ônibus que nos levaria para o mesmo local da universidade onde estavam os meninos. Então, seguimos para Isfahan.

À frente do prédio da física

À frente do prédio da física

Depois da confusão de troca de ônibus, pegamos a estrada desértica para a uma daquelas cidades que você vê nos livros de história da Pérsia ou em aulas de história da arte na escola. Paramos em um posto, tomamos café da manhã, voltamos ao ônibus, paramos em um local estranho e finalmente chegamos a Isfahan.

Estrada para Isfahan

Estrada para Isfahan

Na porta do hotel: confusão! Passaportes de times foram perdidos, falta de vagas para todos os times (sendo alguns transferidos para um hotel próximo), meninos e meninas sendo colocados nos mesmos quartos contra as leis iranianas (por esse último eu pessoalmente fui afetada, o que me resultou em uma noite dormindo em um tapete persa em um quarto de meninas de outra equipe, mas isso é detalhe que foi resolvido depois de muita briga à 1:30 da manhã) e coisas afins. Fomos, primeiramente, a um local que, guardadas as devidas proporções, comparamos ao Taj Mahal.

Guardadas as devidas proporções

Guardadas as devidas proporções…

Depois fomos a ponte de Isfahan. Um local por onde usualmente passa um rio razoavelmente profundo, mas que fica completamente seco no verão iraniano. Lá alguns meninos do nosso time foram parados por pessoas um pouco maníacas (haha), mas isso é oooutra história também.

Ponte de Isfahan

Ponte de Isfahan

Fomos, assim, parar na Naghsh-e Jahan Square, um dos locais mais bonitos que vimos durante a viagem. Com suas mesquitas históricas, ela tinha um grande jardim ao centro com bazares a sua volta. Nos bazares era possível presenciar a confecção de tapetes persas e artesanatos em geral, como as típicas caixinhas decoradas com mosaicos e pratos de cobre pintados com tinta azul.

Naghsh-e Jahan Square

Naghsh-e Jahan Square

Depois de um dos integrantes se perder e nosso líder ficar na praça o procurando na praça lotada, à noite, chegamos ao hotel, onde nos deparamos novamente com o problema dos quartos. A reunião do IOC foi adiada pela segunda vez e seria somente na manhã seguinte.

Manhã do dia seguinte, os times foram levados a Naghsh-e Jahan Square novamente enquanto os líderes de equipe se reuniram no hotel Safavi para decidir os tão esperados problemas (ainda bem que este ano eles já tinham sido pré-selecionados, menos trabalho, menos correria e menos confusão). Então tivemos problemas na saída do hotel, fomos levados para Teerã. No meio da volta ao aeroporto de Teerã, andamos de marcha ré por quase 1 km, paramos em Kashan e depois em um posto pra comer um “fast food” iraniano (ou seja lá o que aquilo for), ouvíamos a frase “hurry up” várias vezes e chegamos ao aeroporto.

Foto única do aeroporto (mais uma e... risco de prisão)

Foto única do aeroporto (mais uma e… risco de prisão)

Ao contrário da separação que sofremos na Alemanha este ano, em 2011 a saída foi cheia de despedidas tristes; apesar de toda a confusão, o IYPT 2011 deixou saudades. Passamos cerca de 7 horas conversando com outro time no aeroporto. Entramos para a sala de embarque e seguimos para Dubai, onde passamos os 3 dias seguintes em meio ao Ramadã. Definitivamente, o IYPT 2011 foi uma experiência estranha, mas divertida e única.

Anúncios

Relato: IYPT 2011 no Irã (parte 7)

DSC02436

Acabei de perceber que o IYPT na Alemanha já tinha passado e os relatos sobre o IYPT no Irã ainda não estavam completos. Neste post, será feito o relato sore os últimos dois dias em Teerã.

27 de julho de 2011, “hoje é dia de tirar fotos”, ouvimos do nosso líder de equipe. Após serem liberados os resultados finais para a maioria dos times, sabíamos que não tínhamos ganhado a tão esperada medalha e que três times estavam na final. Nosso guia nos deixou na mão de um amigo pois aparentemente a noite de sono não tinha sido muito boa. Andando pelas ruas, quase que a turma de cerca de 300 estrangeiros em que estávamos teve as câmeras pegas pela polícia local por tirar fotos do que parecia ser um prédio do governo, o que era perceptível pela imagem onipresente do Aiatolá Khomeini sempre estampada em prédios públicos.

Quase presos por uma foto...

Quase presos por uma foto…

O dia era de passeio, passamos pelo Golestan Palace, certamente um dos locais mais bonitos da viagem, com salas totalmente encravadas em cristal e fotos da monarquia existente no Irã antes da revolução da década de 70. A riqueza do local era admirável: os vitrais coloridos para espantar mosquitos, as escadarias, os lustres e os jardins.

Entrance of Golestan Palace

Entrance of Golestan Palace

Saindo de lá, visitamos as ruínas da primeira universidade iraniana, fomos a um restaurante persa comer dos temperos locais (kebab “pra variar” um pouco com um iogurte aguado com menta que chamava “dô” ou algo do gênero), passamos pelo trânsito “pouco” (só que não) caótico de Teerã (já viu trânsito indiano na TV? Então, é igual) e vimos o “jeito iraniano de estacionar” (tinha carro na calçada, em local proibido, enfim, em qualquer canto).

Iranian way of parking

Iranian way of parking

Seguimos para um museu de arqueologia, onde se podia ver até mesmo uma réplica da parede de Persépolis, aliás, era um museu basicamente sobre história da Pérsia. Na frente desse museu que foi tirada uma foto com a maior parte dos participantes do torneio.

Foto geral na porta do museu

Foto geral na porta do museu

Depois, passamos por algumas lojas. Entre elas, uma só com castanhas, doces e temperos persas (açafrão e frutas secas era o que não faltava). Chegando na Amirkabir University of Technology, rolou uma partida de futebol Brasil versus resto do mundo (lógico, a gente ganhou junto com os agregados do nosso time e só a Julliana jogou dentre as meninas; eu não aguentei 5 minutos com roupa social e véu) que chamou até que bastante atenção, já que o futebol brasileiro parece fazer bastante sucesso por lá. Ao entrar no alojamento feminino, lá estava a única menina do time coreano, eles tinham se preparado a tarde inteira, e foi aí que descobrimos quais eram os problemas a serem apresentados na final do dia seguinte.

Futebol: Brasil x Mundo

Futebol: Brasil x Mundo

Então fomos, mesmo que desfalcados, já que teve gente que preferiu ficar na universidade, a um restaurante (persa de novo…) com nosso guia. Nos separamos em dois táxis e foi um pouco confuso. Estávamos sem comunicação, sem saber falar um nada de farsi/persa e um dos táxis se perdeu do nosso e do nosso guia. Ficamos esperando à porta do restaurante. Foi aí que eu vi pela primeira vez uma moto carregando 4 pessoas ao mesmo tempo (O.o) e tive a confirmação de que lá os ônibus são separados em duas áreas: uma pra homens e outra pra mulheres. Segundo nosso guia, isso é um pouco complicado se você estiver passeando com algum parente ou amigo do sexo oposto.

28 de julho de 2011, dia da grande final. Coreia apresentou o problema 7 (cup drum), Áustria ficou com o problema 8 (domino amplifier) e restou para a Alemanha apresentar o problema 5 (car), o mais popular da competição por sinal (todas as rodadas tiveram ao menos uma apresentação desse problema). A apresentação coreana foi com certeza o melhor relatório que eu já vi ao vivo em um Physics Fight, foi incrível, impecável, com física inquestionável e retórica impressionante. Logo, a vitória coreana foi certamente merecida em 2011. Mas o que mais surpreendeu foram as considerações finais inesperadas e perfeitas (05:34 no vídeo) feitas pelo único time oriental na final do ano passado.

Apresentação coreana

Apresentação coreana

Logo em seguida veio a cerimônia de encerramento. Era pra ela ser as 4 da tarde, então parte do nosso time tinha até saído da universidade por um tempo. Porém, a organização foi um pouco complicada e, devido à presença de autoridades locais, o encerramento foi adiantado em várias horas. Estátuas foram distribuídas às autoridades, times foram chamados pra receber medalhas erradas, confusão armada, mas todo mundo recebeu as devidas medalhas no fim das contas. Depois fomos a uma exposição de pôsters, que inicialmente tinha sido cancelada mas que foi feita às pressas com as soluções de alguns times.

Medalhistas de ouro

Medalhistas de ouro

No fim do dia, houve um coquetel de despedida geral e uma festinha no alojamento feminino organizado por uma das estudantes da universidade. No dia seguinte iríamos para Isfahan, uma das cidades mais bonitas do Irã, mas isso é assunto pra um post sore as viagens pós-torneio que fazem parte da viagem de todos os anos. Então fomos para Dubai, o que já foi falado em outro post (só que, detalhe: fomos na época do Ramadã, o que não foi uma surpresa muito legal por a gente não poder nem beber água em público, nos perdemos também, mas no fim das contas a viagem foi muito divertida!).

Por aqui terminam os relatos das peripécias do time brasileiro de 2011 em Teerã. Até a próxima!

Vídeos promocionais do IYPT

O IYPT possui muitos vídeos de PFs espalhados pela internet. Mas, além disso, ele também possui alguns vídeos divertidos. Em geral, são vídeos promocionais. Após a divulgação do vídeo promocional do IYPT 2012 na Alemanha e do sobre a bobina de Tesla para a candidatura da Rússia ao IYPT 2016, foi lançado também um vídeo de divulgação do IYPT na Suécia (que está abaixo). Antes, também havia sido publicados vídeos dos times no IYPT 2011, como o problema 18 do time alemão e a trajetória do A Team, ou melhor, o time austríaco durante a competição. A Isabella também havia publicado um vídeo de bloopers com algumas partes dos bastidores da equipe Gatos de Schödinger no início do ano.

Enfim, espero que aproveitem os vídeos. No YouTube existem diversos outros que futuros participantes podem gostar de assistir :).

10 thousand views!

Last week this blog have reached its first 10000 views! Thanks everybody who acesses and reads the posts here. In comemoration of it, 10 of the best posts out of the 62 in this blog were selected and listed below. Enjoy the reading.

Semana passada, este blog chegou aos primeiros 10000 acessos! Obrigada a todos que acessam e leem os posts daqui. Em comemoração a isso, os 10 dos melhores posts dos 62 deste blog foram selecionados e listados abaixo. Aproveitem a leitura.