A história por trás de um time que fez história

Lá se vai o 7º ano em que o Brasil participa do IYPT. Nossa colocação? 7ª! A melhor da história do Brasil, com uma prata inédita! Isso é só a confirmação de que o Brasil vai ganhando cada vez mais espaço, que ano após ano, time após time, a imagem do Brasil vai melhorando com o comitê internacional, o júri se tornando cada vez mais imparcial e, assim, nossa nação vai galgando as posições que lhes são de justiça desde o início pelo nível de preparação que as equipes do Brasil mantiveram pelo menos nos últimos dois anos em comparação com os times então presentes no mundial.

Este post é sim um post comemorativo (afinal de contas, é praaaaaata!!!!), mas, antes de mais nada, é um post que pretende relembrar a história de equipes que na verdade até hoje são um time só (que só cresce com os anos) e que fez história na madrugada de ontem. 🙂

2004 – 2007: Quando tudo começou

Tudo começou em 2004. O IYPT então surgia no Brasil. Naquele ano, participaram do IYPT Brasil aqueles que hoje são seus organizadores, os integrantes da B8 Projetos, o que prova que o IYPT nada mais é que uma paixão para uma vida inteira.

Do lado esquerdo da foto: Thiago Serra, Márcio Martino e Victor Ando.

Do lado esquerdo da foto: Thiago Serra, Márcio Martino e Victor Ando.

Na época, o IYPT era organizado no Brasil pelo Ozimar Pereira. Problemas à parte, quem está familiarizado com a história da IJSO 2006 deve ter noção do porquê de o IYPT ter parado de ser organizado no Brasil no ano seguinte.

Nessa época, o Brasil também teve seu período de glória na fase internacional. Começamos em 2004. Inexperientes, terminamos em 15º dentre os 24 países participantes naquela edição na Austrália. O importante era que o Brasil dava sua cara a tapa e fazia sua primeira aparição. Veja aqui mais informações sobre o time de 2004.

DSCN1863

Time de 2004: Aron Heleodoro, Diogo Rodrigues Bercito, Emanuelle Roberta da Silva, Luiza Almeida Aoki e Victor de Andrade Lazarte.

Chegou então 2005. Com um time forte e experiente (dois dos participantes da edição anterior voltavam para reforçar a equipe: Diogo e Emanuelle). Então o Brasil conseguiu, na Suíça, sua primeira medalha na competição internacional, também com a 7ª posição repetida na madrugada de ontem, porém entre 24 países, o que era assim considerado uma medalha de bronze. Veja aqui mais informações sobre o time de 2005.

Imagem 085

Time de 2005: Daniel Nogueira Meirelles de Souza, Diogo Rodrigues Bercito, Emanuelle Roberta da Silva, Juliana Ogassavara e Marcelo Puppo Bigarella.

Depois de um ano, o time brasileiro voltava inteiramente renovado para a competição, que desta vez seria na Eslováquia. A princípio, um dos integrantes da equipe anterior, Daniel Meirelles, havia sido selecionado novamente na competição nacional para representar o Brasil, mas não pôde participar por motivos pessoais. Mesmo assim, em 2006, quando os problemas da organização antiga já começavam a aparecer, o Brasil ficava em 13ª colocação entre as 24 nações presentes, o que nos garantia mais uma suada e honrada medalha de bronze. Confira mais informações a respeito da equipe de 2006.

eslo_010906_14

Time de 2006: Daniel Fernando Pinto, Felipe Vignon de Castro Rios, Luciano Xavier Pereira, Marcos Cardoso Ramos e Pedro Lisbão.

Então veio 2007, o último ano em que o Brasil participou do IYPT antes de seu retorno. O Brasil, então, caiu algumas posições no ranking e assim, na edição que se realizou na Coreia do Sul, figurou em 17º de 21 países participantes, sem trazer medalha. Vale lembrar que cada ano é um ano. Às vezes as equipes mais tradicionais (e a do Brasil) voltam mais fortes, às vezes mais fracas, e isso pode fazer com que o Brasil caia ou suba algumas posições. De qualquer forma, esta foi a última equipe a figurar no cenário do IYPT até 2011. Confira aqui mais informações sobre a equipe de 2007.

Iypt2007

Time de 2007: Caio Costa Perona, Camilla Matias Morais, Diego Peres Alonso, Kenji Ahualle Horimoto e Luis Gustavo Costa Velani.

Provando que não dá para esquecer o IYPT, hoje, boa parte dos ex-participantes dessa época se tornaram jurados da fase nacional desde 2010: Diogo Bercito, Emanuelle da Silva, Victor Lazarte, Daniel Fernando, Felipe Vignon (que chegou até mesmo a ser orientador na preparação das equipes de 2011 e 2012), Camilla Morais, Luís Gustavo Velani, entre outros.

2010: O retorno do IYPT Brasil

Após três anos de hiato, a B8 começou a reorganizar a fase nacional aqui no país, o IYPT Brasil. Segundo as palavras do próprio Márcio no encerramento da competição, o torneio nacional de 2010 foi “uma edição beta”. Isso porque a nacional voltava a ser reorganizada no Brasil como uma espécie de teste, já que teve sua realização no início do segundo semestre e não selecionou nenhum time para a fase internacional do IYPT.

Primeiro PF da sala 1.

Primeiro PF da sala 1.

2011: O Brasil volta ao torneio internacional

Passada a edição nacional de 2010, a de 2011 seria para valer. Depois de quatro anos sem participar do IYPT, o Brasil selecionaria uma equipe para mandar para a edição que seria realizada no Irã. O IYPT Brasil 2011 teve seus pontos épicos e acho que todos devem se perguntar até hoje se “chama é plasma” haha (quem estava lá, vai entender). A equipe do colégio Mater Amábilis se sagrava campeã mais uma vez e, diferentemente do que aconteceria nos anos seguintes, dois integrantes do 1º lugar comporiam a equipe brasileira (com outros três do 2º ao 4º lugar), em vez de somente um.

Afinal, chama é plasma? hahaha

Afinal, chama é plasma? hahaha

E, assim, formou-se a equipe que representou o Brasil no Irã. Ainda inexperiente, em meio a problemas de equipe e muitos outros gerados por conta da organização local, fora a imensa parcialidade por parte do júri (algumas vezes chegava a parecer que eles sequer estavam prestando atenção nas apresentações do Brasil, porque um 4 de nota era garantido independente de qualquer coisa), o time ainda conseguiu retornar com a 15ª colocação (mesma da primeira aparição do Brasil no torneio) em meio aos 21 países participantes (houve uma queda neste número devido à problemas diplomáticos do Irã com outras nações). Assim, voltamos para casa com muita bagagem cultural, mas sem medalha. Veja aqui mais informações a respeito da equipe de 2011.

DSC02436

Time de 2011: Bárbara Cruvinel Santiago, Danilo Moreira Simões, Julliana dos Santos Frassei, Lucas Henrique Morais e Mateus Braga de Carvalho.

2012: Brasil volta a receber medalha e ao top 10 mundial após 7 anos

O IYPT Brasil 2012 foi tão peculiar quanto o de 2011. Quem não se lembra de “a culpa é sua!” ou “desculpa, é que eu sou gago” haha. Além disso, a nacional mudou suas regras de seleção naquele ano: uma pessoa de cada um dos 5 primeiros times comporia o time brasileiro, o que foi muito importante, já que mesmo o 5º lugar levou dois dos melhores problemas resolvidos pelo Brasil em 2012. 🙂

Nunca os próprios participantes riram tanto de si mesmos na final do IYPT Brasil. 🙂

E assim se formou uma equipe brasileira forte como jamais havia se visto. A equipe que pôs o Brasil de volta entre os melhores do mundo! O país já estava mais experiente; havia uma integrante do ano anterior voltando, a Bárbara, e a equipe num geral estava bastante renovada. Em termos de idade, algo ainda mais curioso: 3 dos 5 participantes de 2012 estavam no 2º ano do colegial ainda. Foi também o primeiro ano em que levamos o Hugo, o mascote da equipe nacional.

DSC_8438

Time de 2012: Bárbara Cruvinel Santiago, Guilherme Ribeiro Moreira, Ibraim Rebouças, João Gabriel Faria e Miranda e Liara Guinsberg.

Pois bem, a edição de 2012, na Alemanha, foi aquela em que mais equipes participaram do IYPT (28 países), sendo um ano histórico para o Brasil: o time brasileiro tirou seu primeiro 10 da história, chegou pela primeira vez em 5º lugar nos rankings parciais, ficou pela primeira vez na zona de premiação de medalha de prata por algumas rodadas e, depois de 7 anos, conseguiu voltar ao top 10 mundial, garantindo a medalha de bronze mais bem colocada até então (10º de 28) e, mais do que isso, mostrando ao comitê internacional que não estávamos voltando para brincar. Como nada é perfeito, tínhamos nos mantido na zona da prata até o último PF, até que influências políticas prevaleceram e enfrentamos um júri totalmente parcial (confira algumas das informações a respeito desses acontecimentos em um post antigo da Liara) e, assim, tivemos nossa prata levada embora (mas… tudo tem sua vingança haha, continue lendo). Veja mais informações a respeito da equipe de 2012.

DSC_9437

Time completo (membros, líderes, guia, visitante e mascote) logo após a cerimônia de premiação.

2013: Brasil é premiado com prata inédita

Em 2013, uma coisa era fato: a equipe brasileira do ano anterior não havia ficado nada contente com os pontos (e prata) roubados na última rodada e queria revanche. Pois ela veio…. O IYPT Brasil 2013 foi bastante interessante; as equipes que participavam da nacional desde 2010 já haviam se formado no ensino médio, deixando espaço para muitas caras novas. Dos três medalhistas internacionais que podiam voltar como membros, o Guilherme (ou Gago, como queira) voltou como “professor” líder de equipe por questões pessoais; o Ibraim retornou conquistando o 1º lugar com uma excelente apresentação do problema 7 (que por acaso foi usada pelo time brasileiro no 1º PF de Taiwan), mas, acatando um acordo feito no ano anterior, deixou que outro integrante de seu time fizesse parte da equipe brasileira em 2013; a Liara voltou também, com uma apresentação linda do sóliton na final e sendo parte extremamente fundamental para o sucesso da equipe brasileira deste ano.

Discussão entre Liara e Ibraim.

Discussão entre Liara e Ibraim.

Lembra que a equipe brasileira do ano passado estava meio nervosa com a história prata/bronze? Pois então, era questão de honra ganhar a prata em 2013. Todos os integrantes da equipe de 2012 estiveram presentes para que a preparação da equipe de 2013 fosse a mais bem-sucedida possível. De maneira curiosa, a equipe de 2013 teve exatamente a mesma configuração de 2012: dois de São Paulo, um de Santos, um de São José dos Campos e um de Teresina. A equipe voltou com nível semelhante de preparação e com 2 anos de time brasileiro de experiência acumulados na bagagem.

Time de 2013: Amanda Maria Marciano Leite Oliveira, Denise Sacramento Christovam, Gabriel Demetrius Bertoldo da Silva, Liara Guinsberg e Vitor Melo Rebelo.

Time de 2013: Amanda Maria Marciano Leite Oliveira, Denise Sacramento Christovam, Gabriel Demetrius Bertoldo da Silva, Liara Guinsberg e Vitor Melo Rebelo.

Foi assim que rodada após rodada, o time brasileiro foi galgando posições, repetiu a melhor classificação parcial conseguida em 2012 (5º lugar), manteve-se na zona da prata por mais tempo e voilá! É prata! É prata! A madrugada da última rodada foi eletrizante aqui do Brasil. Devido ao fuso, ficamos todos acordados até por volta das 3 da manhã atualizando informações do último fight, traçando estratégias, nos comunicando com quem estava por lá para conseguir qualquer tipo de informação e calculando excessivamente as médias das outras salas, porque qualquer décimo podia nos levar a prata embora de novo. Quem acha que final de copa do mundo é emocionante nunca ficou “dando F5” na página de resultados do IYPT. O Brasil repetiu, assim, sua melhor colocação em posição final, ficando em 7º de 26 nações, deixando 19 países para trás (ultrapassando o recorde de 18 países de 2012) e garantindo nossa sonhada medalha de prata. Uma página do time de 2013 será montada em breve. 🙂

Líderes, mascote e membros do time logo após a premiação.

Líderes, mascote e membros do time logo após a premiação.

2014: Que tal um ouro?

Chegando ao fim do post, só uma coisa a dizer: agora o time tem 3 anos de experiência, muito mais ex-participantes da internacional para ajudar na preparação e uma boa imagem perante o comitê internacional esculpida nos últimos anos… Que tal um ouro em 2014? Vamos todos colaborar pelo time do Brasil na final? 🙂

Anúncios

3 comentários sobre “A história por trás de um time que fez história

  1. marcia martins

    Bárbara, obrigada por me manter informada esse tempo todo, foi realmente muito emocionante acordar no meio da madrugada e ter informações a respeito da “batalha” que foi travada tão longe……e que “batalha”…..e que venha 2014!!!!!!!!

  2. So uma fanatica com voce pelo IYPt poderia descrever tão bem a emoção desta competição….e não tenho dúvidas que você ainda sera uma das juradas nas proximas competições (rsrsrs).Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s