IYPT 2010, por Cássio dos Santos Sousa

Passou o prazo dos relatórios preliminares e você quer uma inspiração para terminar os relatórios para a fase classificatória? Leia o artigo que o Cássio escreveu para o blog dele no Vida de Olímpico sobre o IYPT 2010!

Clique aqui para acessar o texto e boa leitura!

Em breve, mais links relacionados ao IYPT que ainda não foram postados. Boa sorte com os relatórios!

Anúncios

Como foi o IYPT em Taiwan (by Liara)

Curiosos pra saberem mais detalhes de como foi o IYPT em Taiwan? Bom, como eu não fui pra lá desta vez, tive que apelar para outros recursos pra conseguir postar alguns detalhes aqui. Assim, abaixo, segue um post que a Liara colocou em seu blog Vida de Olímpico. Para ler o post em sua fonte, clique aqui. Acesse o blog dela também para mais posts sobre o IYPT deste ano e do ano passado.

Em um próximo post, espero poder postar algumas fotos e links para fotos da equipe brasileira deste ano. Para mais informações sobre como foi a edição deste ano, acesse o Facebook do IYPT BR, que foi constantemente atualizado durante o torneio.

Fiquem abaixo com a citação do post e boa leitura!

Oi pessoas!

Tudo bom?

Então, estou aqui num ônibus pra Tao-Yuan, em Taiwan, pra pegar um voo pra áfrica do Sul, pra ir pra cidade do cabo… bom, acho que vai demorar um pouquinho até eu chegar em… algum lugar, digamos assim.

Image

Bom, vamos agora à olimpíada… ganhamos prata (\o/), um troféu maneiro loucamente legal, um bando de souvenirs dos outros participantes, etc etc etc.

E como chegamos nisso? Ok, longa história…

Primeiramente, teve a nacional… conseguimos segundo lugar, apresentando o sóliton. Admito que naquela época ele não estava em seu melhor estado, algumas falhas, faltas de comparações e etcs, mas já estava no caminho para conquistar uma das coisas mais legais que eu já ganhei em minha jornada olímpica.

Image

Outro dos meus problemas era o jato e sabão, que tem fotos lindíssimas (por isso que eu escolhi esse), que também (mesmo sem ser apresentado por mim em nenhum torneio 😦 ) foi fundamental para nossa “medalha” tão almejada.

Para o torneio internacional, fiz o honey coils também, que era do Bruno na nacional, peguei várias partes da apresentação dele, estava muito boa, adicionei experimentos, mudei a ordem e as comparações e pronto (bom, falando assim parece fácil, mas demorou pra caramba e deu muito trabalho, mas acabou ficando bom 🙂 ). Mais um problema que não chegou a ver a luz dos fights…

Quando chegamos, um dia antes do torneio, eu estava passando muito mal do estômago, muitas horas de voo, comida estranha, cansaço e stress, mas depois de uma bela noite de sono (ok, consegui dormir por umas 4 horas, acordei no meio da madrugada sem sono algum) e piscina aquecida, melhorei.

Fomos então à cidade do torneio (até agora não sei o nome), para os nossos quartos, num calor absurdo e umidade gigantesca, encontramos um dos quartos mais estranhos de toda a história de quartos estranhos, com camas da grossura de papel, janelas que davam para o dormitório dos meninos (mesmo com a veneziana fechada, dava pra ver o que se passava nos quartos), ar condicionado que funcionava quando queria e um chuveiro que não prendia na parede… além do exaustor louco que parecia gritar. Ocasionalmente.

Bom, teve o “jantar de abertura”, mas foi como qualquer outra refeição, simples, comidas estranhas e apimentadas, acabei não comendo… mas não estava com fome, de qualquer jeito.

Image

No dia seguinte, a abertura, definição dos fights e emoções adoidadas. Fui uma das primeiras a pegar o leque (muito bonito, por sinal), com o número 22. (Pensei que tivesse pegado o número errado, mas no final, não havia mais certo do que esse). Em 21, Alemanha, e 23, Coréia. Fiquei muito feliz, e ao mesmo tempo, com um leve medo, mas preferi escolher a primeira sensação e confiar na sorte do 22. Naquele mesmo dia, o primeiro fight, revisores primeiro, do time da Alemanha, problema 3, da bolinha. Por algum motivo (coincidência ou não) eu havia sonhado exatamente com esse fight, com exatamente esse problema, mas deixando isso pra lá, foi uma apresentação fraca, uma oponência não muito boa e avaliação normal. As notas não foram muito altas, mas não foram surpreendentes. Depois, fomos oponentes da Coréia, ascensão da água… sinceramente, nosso problema da nacional (do Rafael) estava muito melhor, mas as notas deles foram altas, por algum motivo. Depois, fomos relatores, problema 7, ouvindo a luz. O fight foi normal, Alemanha nossa oponente, mas depois eu soube que eles não haviam terminado o problema, o que explicou as perguntas fora de foco e um pouco confusas. Novamente, notas intermediárias, mas que nos proporcionaram o décimo lugar depois daquele fight (uma boa coisa, visto que ano passado ficamos em décimo quinto).

O segundo fight foi épico, não sei se acho isso porque eu apresentei um problema (subjetividade pode estar atuando), mas as notas foram fantásticas. Com 41.5, subimos para quinto lugar, segunda melhor nota daquele dia (não me recordo quem foi o primeiro, talvez Singapura). Apresentei o 3, bola saltitante, 11:20 min de apresentação, tudo tão explicado (mais do que seria nos meus mesmo, que eu vomitaria slides infinitos, experimentos infinitos e teorias infinitas), o fight foi bem divertido, o oponente da República Tcheca era extremamente educado e calmo. 🙂

Depois, revisores, também notas altas, assim como oponente, do honey coils, uma apresentação extremamente estranha, com dados que até agora eu não acredito (durante o fight, eu mostrei que eles eram incompatíveis com… tudo), mas consegui notas boas, mesmo tendo que me virar com respostas do tipo

– “A tensão superficial é relevante?” – eu

– “A variação de temperatura é muito importante.” – relatora

-”Mas e a tensão superficial?” – eu

-”A temperatura…” – relatora

-”… -.-” – eu

Mas de qualquer forma, conseguimos notas lindas!

Agora o terceiro fight, bom, apresentamos o Carrossel de Helmholtz, as notas foram normais, caímos um pouco, para sexto. Quarto fight, Plástico Colorido, os jurados já estavam estranhos, inventando enunciados para o problema (por exemplo, que o fenômeno deveria ser testado somente com luz do sol, sendo que o enunciado de verdade falava de diversas fontes de luz), as notas refletiram certa parcialidade (como o quinto fight ano passado -link-, eu já esperava isso, mas o pessoal do time ficou bem bravo, como eu antes). De qualquer forma, fui oponente do jato e sabão, uma apresentação bem superficial (desculpa pela piada inserida, o problema gira em torno de tensão superficial do filme de sabão 😀 ), apontei infinitas coisas, a nota foi ok.

Agora, a parte mais épica desse fight. Fomos revisores do 17, Mangueira de Incêndio, problema que nenhum de nós havia lido qualquer coisa sobre, nem um paper nem nada. Nunca prestei tanta atenção em uma apresentação como prestei nessa, realmente avaliei o fight. Por algum motivo lindo, perguntei sobre o número de Reynolds (obrigada Demetrius e Denise por pensarem nisso!), o que acabou sendo muito relevante. Todos jurados adoraram minha avaliação, um deles disse até que gostou como eu entendi melhor que o relator e o oponente a dinâmica do problema, como funcionava, os mecanismos, enquanto eu ficava simplesmente surpresa, nunca havia visto o problema, minha única ideia era que ele parecia com o coils, o número de Reynolds e a apresentação do polonês. Foi uma sensação diferente de qualquer outro fight em que eu já estive.

Depois, no quinto fight, começamos como relatores, problema 10, Water Rise, a apresentação foi muito boa, o fight também, mas… as notas não foram lá tão boas, sequer condizentes entre si. Ali pensamos que a prata estava já fora de alcance. Depois, fomos observadores, relaxar um pouco fez bem pro time todo. Na avaliação, fizemos o problema 1, Invent Yourself, quando o famoso (para nós, ao menos) slide 47 nos garantiu uma ótima nota (explicando: havia nesse slide um experimento realizado de forma errada, que somente nós percebemos, eles colaram a ponte no suporte, o que alterava toda a dinâmica do problema). Como não poderíamos mais apresentar o sóliton, pedimos para o time da Bielorrússia, que prontamente aceitou. Fui oponente do meu principal problema, na melhor apresentação de IYPT que eu já vi, as melhores respostas e deduções. Foi simplesmente lindo. Nos primeiros minutos de fight eu ainda tinha que me acostumar a um relator que sabia de fato o que estava fazendo. Mas depois, consegui encadear perguntas importantes e focar no que o problema pedia. Aquele fight foi o que nos garantiu a medalha de prata.

Depois, a final. Dois dos meus problemas estavam lá para serem apresentados. A expectativa de ver um sóliton melhor que o meu ou do bielorrusso foi por água abaixo nos primeiros minutos de apresentação. Uma solução de sine-Gordon errada, algumas comparações duvidosas, foi um terror. Depois daquilo, eu estava certa que a Coréia não merecia ganhar o primeiro lugar.

Depois, Singapura, com o Ouvindo a Luz, foi uma apresentação bonita (pessoas que fizeram o problema diriam “supremamente linda”, mas eu não conheço o problema tão bem pra saber quão linda foi a apresentação), só restava a Suíça, com o Honey Coils… as expectativas sobre aquela apresentação cresciam, talvez fosse uma bela solução, não sabíamos.

Quando começaram, mostraram o fenômeno, uma teoria extremamente breve, experimentos que até agora eu não sei o que significam (não por falta de conhecimento minha do problema, mas por falta de coerência dos dados apresentados), parecia uma apresentação mediana da nacional. A do Bruno estava infinitamente melhor e mais completa.

Estava clara a liderança de Singapura, o que foi confirmado pelo resultado final.

Coincidentemente, a ordem dos problemas da final foi a mesma que vimos na nacional, Ouvindo a Luz, Sóliton e -problema aleatório-.

Depois, fomos a um almoço pomposo, antes da premiação, entretanto apimentado. Muito apimentado. Mas os docinhos estavam gostosos. Na cerimônia, houve uma apresentação com Diabolos, muito bonita, por sinal. Chamaram todos os times (somente o país e a colocação, sem ninguém ir lá na frente), depois chamaram de novo, somente os medalhistas, e entregaram uma placa, escrito IYPT e o símbolo pintado de marrom… pensamos: “é só uma espécie de certificado, em madeira”… não entregaram mais nada… pensamos: “vão entregar depois, já chamaram duas vezes, por que não a terceira?”… não chamaram mais. Nossa “medalha” é uma placa de madeira. Bonita, mas… não é uma medalha. De qualquer forma, após uma breve revolta, nos lembramos que, medalha ou não, era prata e era sétimo lugar!

-Atualização em tempo real: acabei de chegar no hotel da Cidade do Cabo, o quarto é muito bom, com uma cama de casal! Voltando-

Depois, o pessoal do time foi pra cidade comprar eletrônicos, eu não fui. Por quê? Bom, na minha opinião, a olimpíada perde o sentido se você não faz as coisas da olimpíada. Se a interação com os participantes se perde, sobram somente 30 horas de viagem e -insira eletrônico aleatório aqui-, então pra mim foi bem mais divertido ir no Night Market versão miniatura no campus do que rodar Taipei em busca de um desconto -nada contra o outro estilo, só falando meu ponto de vista 🙂 -, de qualquer forma, coloquei assuntos em dia com velhos amigos, fui mordida por pernilongos até não sobrar espaço na perna, dei risadas, resumindo: foi legal pra caramba!

No dia seguinte, fomos para um parque arqueológico, muito quente! Muito! Chegava nos 35 graus. Úmido. Sem núvem alguma no céu. Foi divertido! Fomos almoçar, o pessoal comeu cachorro (sem saber que era cachorro), eu comi camarão e sorvete (não ao mesmo tempo…) e depois, infelizmente a Denise queimou feio os pés na areia, foi pro hospital e tudo. Nós seguimos o passeio até uma formação ativa de coisas sulfurosas (não me vem o nome à cabeça), que fedia. Mas tinha uma bela paisagem.

Depois disso, a festa de encerramento, com uma surpresa incrível. Descemos do quarto, as equipes estavam fazendo apresentações “típicas” de cada país… inicialmente não queríamos dançar nada, mas nos convenceram. Decidimos dançar “Ai se eu te pego”. Sim. Essa mesma. Se fosse assim direto, eu ficaria extremamente encabulada e envergonhada, mas em um determinado instante, me chamam ao palco. Haviam chamado logo antes o bielorrússo do sóliton (Anton, eu acho), como melhor relator da competição. Eu havia sido a melhor oponente do IYPT 2013. A minha reação foi subir lá correndo, com um sorriso de orelha a orelha. Foi, para mim, o pico da competição. Eu não esperava. E um troféu lindo (e eu tinha ficado brava com a falta de medalha, compensou!), rugoso e transparente. Aquele fight foi o melhor de todos da competição. Eu, o relator e o avaliador ganhamos troféus. Valeu a pena ter feito o problema e não ter relatado. \o/ VIVA O SÓLITON!

Image

Image

(Foto por Kent Hogan), eu e o melhor avaliador, Jared Lee.

Após essa surpresa, eu estava eufórica, distribuímos lembranças do Brasil, um monte de gente com bandeiras, chapéus, pulseiras e botons… foi bem legal!

Depois, ficamos acordados a noite inteira, jogando cartas, conversando, tomando café da manhã as 5 da manhã haha. Foi uma das noites mais legais da competição! Despedidas são chatas, mas sempre fica a possibilidade de tudo convergir de novo. Quem sabe um dia… 🙂

Depois disso, fui arrumar minhas malas, lavar roupa (na maquina muito doida que tinha lá em uma salinha do dormitório), secar e finalizar tudo. Fomos ao “Hotel” onde seria o IOC meeting, um quarto gigantesco, 3 camas de casal, banheira, chuveiro, 3 pias, 2 sofás, uma mesinha de centro, uma sala de espera e um frigobar. Muito bom o lugar.

No dia seguinte, fomos de bicicleta até um lago, subindo a montanha, com o time da Bielorrússia, foi muito legal! O caminho era muito mais longo do que imaginávamos, muito mais quente e muito mais úmido. No meio do percurso, metade das pessoas já estava sem camiseta (bom, eu estava com biquini, então estava normal haha). Diversos quilômetros e garrafas de água depois, chegamos no tão esperado lago. Havia uma placa de “proibido entrar”. Foi uma decepção coletiva. Entretanto, acabamos entrando, após descobrir que não eram impedimentos de doenças, e sim de o dono de lá ser chato. A água estava em uma temperatura extremamente agradável. Foi o melhor passeio que fizemos em Taiwan.

Nesse mesmo dia, teve o jantar de encerramento, com os membros do IOC e uma dança local. A melhor parte da noite foi ver o Yunosov (criador do IYPT) dançando com um leve delay, acompanhando a música e os outros participantes. -vídeo aqui, em breve-

A sessão de fotos foi extremamente engraçada, incorporando o “Piauí style” a todas as nações. Aquele dia foi muito legal.

Então, chegamos ao começo desse post. Quando fomos no ônibus para o aeroporto para vir pra África do Sul. E aqui estou eu!

Sei que esse post foi curto, mas se alguém terminar de ler, você tem coragem hahaha.

Até a próxima!

Depois escrevo algumas partes com mais detalhes, as que valerem a pena. 🙂

Feliz aniversário, Hugo!

Exactly a year ago, Hugo was becoming the first Brazilian mascot for the IYPT. So, today, we should celebrate his first birthday. Happy birthday, Hugo! We wish you the very best and that you continue giving luck to the Team of Brazil at the IYPT. 🙂

Exatamente um ano atrás, o Hugo estava se tornando o primeiro mascote brasileiro no IYPT. Assim, hoje, devemos celebrar o primeiro aniversário dele. Feliz aniversário, Hugo! Desejamos o melhor a você e que continue dando sorte ao time do Brasil no IYPT. 🙂

Para desejar feliz aniversário ao Hugo, deixe uma mensagem no perfil dele no Facebook. Veja também o post de boas-vindas ao Hugo, o post com a enquete que decidiu seu nome e outro sobre os mascotes do torneio internacional do ano passado.

DSC07019

Vídeo da preparação de 2012

A equipe brasileira de 2013 está em fase de preparação para o torneio que se aproxima. Mas, você sabe como se dá a preparação de um time nacional para enfrentar concorrentes de outros países? Obviamente há muito trabalho envolvido, mas também há muita diversão! Abaixo, está um dos últimos (senão o último propriamente dito) vídeos da preparação de 2012 a ser postado. Se quiser ver mais vídeos da preparação do ano passado, acesse neste link. Hoje, também foram postadas 5 fotos da preparação do time de 2013 na página do Facebook do IYPT BR. Mais fotos viram depois da última semana de preparação do time deste ano. 

Divirtam-se com o vídeo abaixo da primeira semana de preparação presencial em São Paulo do ano passado, com direito a PF de treino com o time de Papua Nova Guiné (a.k.a. B8 Projetos). 🙂

Mais vídeos dos bastidores

No YouTube do IYPT BR, você pode conferir alguns vídeos tanto dos PFs quanto dos bastidores do IYPT. Ontem, saíram mais dois vídeos dos bastidores da equipe brasileira de 2012. Um dos vídeos apresenta algumas conversas aleatórias da equipe entre os fights e as cerimônias, o outro é um compacto com alguns momentos que passamos em nossa escala na Suíça. No vídeo da Suíça, vale a pena checar uma pequena mensagem para aqueles que dizem que estudar para olimpíada não vale a pena em 6:02 haha.

Physics Fights in IYPT 2012

People in the national phase are still in the stage in which the reports are being sent to our official national organization, but we know that later, they’ll have to engage in national PFs if they want to be one of Brazilian team’s five members this year. Soon, some PF videos we arranged from 2011 national phase will be released on YouTube. However, meanwhile, you may want to know in detail how the Physics Fights went in Germany and, maybe, watch the fights’ videos.

You already know that we had the national phase, that we prepared for some months, that we went to Germany, that we had fun during our free time, that we met people there (and mascots haha), that the city of Bad Saulgau was totally involved in IYPT, that we stayed in a beautiful campus and that we got (and comemorated of course) a medal. Nevertheless, how did we get there? So, let’s get down to our Physics Fights, which were held in the local Student Research Center. For those who do not know how the competition works, watching the brief official promo video will help.

July 21st, day of our first fight. While in the morning we had the opening ceremony, the afternoon would be the time when all the teams would experience their first 2012 discussions. Our fight would be against Belarus and Slovenia. In that fight, Ibraim was our opponent, João played as our Reporter and Bárbara performed as the Reviewer. We first opposed problem number 2, cutting the air, presented by the team of Belarus. Working against the time for making our opposition presentation slides was tough in our first trial, but we were able to adjust everything while the competition continued. Then, we became the reporters. We first refused to present problem number 12, lanterns, which was a problem we had developed but that, for some reason, we didn’t try to present. That was initially a problem, as in the international phase, you can only refuse to present 3 problems during all the competition rounds without effects on the grades. Ok, but the second (and accepted proposal) was problem number 6, woodpecker toy, opposed by Slovenia and reviewed by Belarus. Beginning with a live demonstration, going through our equations and experiments, the discussion finished with our final conclusions as standard. Then we took part as reviewers for problem number 5, bright waves (presented by Slovenia) and the fight was over. After about 3-4 hours of “physics fighting”, we got to 15th place in the competition ranking, so we did need to improve for our next fights if we wanted to get a prize after all.

July 22nd, day of our second and third fights. We did want to grow in the competition, we just didn’t expect how far we would get that day! In the morning, we had our second round. Ibraim began again, but this time as our reviewer, for problem number 7, drawing pins, presented by Singapore and opposed by Georgia. In the following stage, João became our opponent for problem 14, granular splash, which was presented by team of Georgia. And, finally, we were the reporters with problem 10, rocking bottle, presented by Liara with the team of Singapore as our opponent. The round was great and we got to 9th position. In fact, in the middle of tens of countries, that already granted us a bronze medal! We just needed to maintain our positions.

After lunch, it was time for our third fight. We went to our dorms to get some stuff and almost didn’t get to the Student Research Center on time, but that’s a looong story. As we arrived late to our fight room, everybody was already there. The room was CROWDED! Every single place available in the audience was taken, the competition president was in the room and looking at all those faces there to watch us gave us a sensation of “wow! we’re screwed”. To worsen it, we would be the first reporters. We were challenged problem 9, magnet and coin. We hesitated, but accepted the problem. Bárbara was our reporter, team of Nigeria was the opponent and team of Bulgaria played as the reviewer. That report got the first mark 10 Brazil has ever received in the competition’s history! We seriously didn’t believe that. Among 2520 grades in the selective 2012 PFs, only 4 were 10, one was ours! Then João was our reviewer for problem number 14, granular splash, presented by Nigeria, we did get a good average also! And then Bárbara was our opponent for problem number 5, bright waves, reported by Bulgaria. That PF was our best among all rounds, we accumulated more then 42 points in that fight (which is really a lot by the way) and made to the 5th position! That day’s fights brought us to the best partial ranking of Brazil in IYPT’s history and the position of a silver medal. Ok, we were definitely happy as you may imagine and couldn’t stop smiling of course haha.

July 23rd, day of our fourth PF. We discussed a lot in the piano room in the night before. We were happy with results until then, receiving congratulations from people here in Brazil (our Facebook was full of notifications from our friends that day haha) and from other teams in the competition. But, something that only we knew was: the probability of refusing more problems than we could was huge, we needed to count on luck to get the results we wanted. We entered the room and, gradually, the jury chairs were being taken. That jury was composed by some of the most rigorous evaluators in the competition indeed. João was again the reviewer for problem 14, granular splash, this time presented by the team of Czech Republic. Then, Bárbara was the opponent for problem number 3, string of beads, presented by the team of Indonesia. Finally, we were the reporters. First, we rejected problem 2, cutting the air, and Liara was our reporter for problem number 11, flat flow. Although we had some problems with the time for presentation, her solution was in fact great and we could achieve good grades from that rigorous jury. 🙂 We fell to the 8th position in that fight, but there was still room for recovering.

July 24th, day of our fifth and last selective fight. We wanted to remain among silver medalists, but, as nothing is perfect, we had some problems (which I previously quoted to be best conveyed through one of Liara’s post in her blog, I won’t need to write it again). We rejected problem 17, ball in foam, and 15, frustrating golf ball, finally accepting problem 7, drawing pins, which was presented by Ibraim. We really don’t know where those grades came from, as his solution was among our best reports (seriously). Then, Bárbara was the reviewer for problem 12, lanterns (presented by Slovakia), with the help of Guilherme, who was reponsible for this problem. In the end, Liara was our opponent for problem 1, gaussian cannon (presented by the Netherlands), also with Guilherme’s help. We finished in 10th, not what we were expecting, but that was in the top 10 after all, and granted us the best Brazilian result (in percentage) in the tournament’s history, with a bronze medal.

Then, the tournament was over to us. There was a party for the competitors, the final fight with Iran, Singapore and South Korea, tours, a trip to Lake Constance, the closing ceremony and the trip to Stuttgart.

If you want to check all the partial grades and results of all the teams in the competiton, you may acess it though this link. All the videos from the team of Brazil 2012 fights are on YouTube.

 

 

As viagens pós-torneio: Stuttgart (2012) e Isfahan (2011)

DSC00246

Todo ano, após os dias do torneio propriamente dito, há uma viagem de dois dias organizada pelo comitê local para alguma outra cidade do país sede. Esses dois dias servem para passear, relaxar e, por ventura, entrar mais em contato com outros times. Pois é, quando a viagem vai ficando boa, ela termina… São nesses dois dias também que há reuniões do IOC pra decidir os tão esperados 17 problemas de cada ano.

Stuttgart (IYPT 2012):

Cidade conhecida por ser pólo automobilístico da Alemanha, saindo da pequena cidade interiorana de Bad Saulagu, Stuttgart foi o destino das jovens mentes de quase 30 países do mundo este ano nos dois últimos dias de viagem na Alemanha.

Sair do campus da escola japonesa com seu cheiro de madeira molhada (resultado de muita chuva e das infinitas árvores no local) não foi muito divertido; Bad Saulgau tinha nos recebido muito bem. O IYPT deste ano nos marcou com histórias profundas e pelo ambiente do torneio. Na hora de partir, juntamos as diversas garrafas (de água com gás) que foram juntadas em todos os quartos do alojamento ao longo da semana de competição, pegamos os ônibus designados a cada um dos times e seguimos para Stuttgart. Lá, os times foram separados em dois hostels. Amizades recém-formadas ficaram divididas entre os dois albergues nos últimos dias de viagem para que todos pudessem se acomodar, mas são consequências de um grande evento.

No primeiro dia, logo ao chegar, deixamos nossas malas, e rumamos à sede mundial da Daimler-Mercedes Benz, uma das patrocinadoras do torneio, onde fomos recebidos com uma palestra, tour e almoço especialmente designado aos participantes do IYPT. Gente querendo tirar fotos com os super carros da Mercedes foi o que não faltou haha.

Capa da apresentação inicial

Capa da apresentação inicial

As duas noites que passamos no International Youth Hostel foram bem gastas próximas a máquinas de sorvete e refrigerante usando Wi-Fi no primeiro piso, conversando via Skype com o pessoal aqui no Brasil e trocando ideia (e danças típicas) com integrantes do time da Bulgária.

Benditas máquinas de sorvete que acabaram com a nossa grana aos poucos

Benditas máquinas de sorvete que acabaram com a nossa grana aos poucos

No dia seguinte, fomos ao museu da Mercedes enquanto o IOC se reunia. Depois, abandonados por nossos guias no meio da chuva em Stuttgart com parte do time da Bulgária pra achar uma forma de voltar ao hotel. Acabamos sem encontrar uma estação de metrô funcionando que fosse e nos salvando porque a menina da Bulgária falava alemão. Caímos no hotel dos outros times, mas antes conseguimos um Burger King por perto. No fim das contas, conseguimos pegar metrô, nos perder por Stuttgart, tirar fotos legais e voltar pro hotel. Ficamos esperando o Thiagão, mas aparentemente o IOC estava muito indeciso quanto aos nomes dos problemas e a reunião só acabou de noite.

Perdidos em Stuttgart

Perdidos em Stuttgart

Saímos por Stuttgart pelos principais pontos (apesar de tudo já estar fechado quase), passamos no meio de uma parada gay e acabamos por acaso no mesmo restaurante em que estava o time suíço apesar de longe de ambos os hostels.

Praça central

Praça central

A noite terminou de maneira semelhante à noite anterior, mas com a gente dando um chapéu do time brasileiro e, hm… outras coisas mais, enfim, era a última noite na Alemanha, não era muito divertido pensar nisso.

Último dia, o Ferdinand nos levou até a estação de trem, nos auxiliou com os táxis, malas e tickets, fomos ao aeroporto e rumamos à Suíça, onde passaríamos os cinco dias seguintes (com direito a atraso no voo e problemas consequentes disso e tudo mais).

Assim, melancolicamente, terminou o último e mais divertido IYPT da história.

Isfahan (IYPT 2011):

Madrugada do do dia 29 de julho de 2011. Acordadas com a queda e conseguinte volta da energia elétrica, as meninas foram acordadas no alojamento feminino em Teerã, no único IYPT da história em que os times mistos foram separados por causa das leis locais. Todas se ajeitaram e desceram as escadas com suas grandes malas pesadas. Esperamos as portas serem abertas para a escuridão em que o dia ainda estava e chegamos à frente do prédio da física, onde nos entregaram os certificados e esperamos o ônibus que nos levaria para o mesmo local da universidade onde estavam os meninos. Então, seguimos para Isfahan.

À frente do prédio da física

À frente do prédio da física

Depois da confusão de troca de ônibus, pegamos a estrada desértica para a uma daquelas cidades que você vê nos livros de história da Pérsia ou em aulas de história da arte na escola. Paramos em um posto, tomamos café da manhã, voltamos ao ônibus, paramos em um local estranho e finalmente chegamos a Isfahan.

Estrada para Isfahan

Estrada para Isfahan

Na porta do hotel: confusão! Passaportes de times foram perdidos, falta de vagas para todos os times (sendo alguns transferidos para um hotel próximo), meninos e meninas sendo colocados nos mesmos quartos contra as leis iranianas (por esse último eu pessoalmente fui afetada, o que me resultou em uma noite dormindo em um tapete persa em um quarto de meninas de outra equipe, mas isso é detalhe que foi resolvido depois de muita briga à 1:30 da manhã) e coisas afins. Fomos, primeiramente, a um local que, guardadas as devidas proporções, comparamos ao Taj Mahal.

Guardadas as devidas proporções

Guardadas as devidas proporções…

Depois fomos a ponte de Isfahan. Um local por onde usualmente passa um rio razoavelmente profundo, mas que fica completamente seco no verão iraniano. Lá alguns meninos do nosso time foram parados por pessoas um pouco maníacas (haha), mas isso é oooutra história também.

Ponte de Isfahan

Ponte de Isfahan

Fomos, assim, parar na Naghsh-e Jahan Square, um dos locais mais bonitos que vimos durante a viagem. Com suas mesquitas históricas, ela tinha um grande jardim ao centro com bazares a sua volta. Nos bazares era possível presenciar a confecção de tapetes persas e artesanatos em geral, como as típicas caixinhas decoradas com mosaicos e pratos de cobre pintados com tinta azul.

Naghsh-e Jahan Square

Naghsh-e Jahan Square

Depois de um dos integrantes se perder e nosso líder ficar na praça o procurando na praça lotada, à noite, chegamos ao hotel, onde nos deparamos novamente com o problema dos quartos. A reunião do IOC foi adiada pela segunda vez e seria somente na manhã seguinte.

Manhã do dia seguinte, os times foram levados a Naghsh-e Jahan Square novamente enquanto os líderes de equipe se reuniram no hotel Safavi para decidir os tão esperados problemas (ainda bem que este ano eles já tinham sido pré-selecionados, menos trabalho, menos correria e menos confusão). Então tivemos problemas na saída do hotel, fomos levados para Teerã. No meio da volta ao aeroporto de Teerã, andamos de marcha ré por quase 1 km, paramos em Kashan e depois em um posto pra comer um “fast food” iraniano (ou seja lá o que aquilo for), ouvíamos a frase “hurry up” várias vezes e chegamos ao aeroporto.

Foto única do aeroporto (mais uma e... risco de prisão)

Foto única do aeroporto (mais uma e… risco de prisão)

Ao contrário da separação que sofremos na Alemanha este ano, em 2011 a saída foi cheia de despedidas tristes; apesar de toda a confusão, o IYPT 2011 deixou saudades. Passamos cerca de 7 horas conversando com outro time no aeroporto. Entramos para a sala de embarque e seguimos para Dubai, onde passamos os 3 dias seguintes em meio ao Ramadã. Definitivamente, o IYPT 2011 foi uma experiência estranha, mas divertida e única.